Os textos deste Blog foram extraídos dos livros de Horácio Netho: "COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais"

"VIA CORAÇÃO, Caminhos da Transformação" - "SUTRAS, Uma Vida Melhor" - "VIA TERRA, Caminhos da Luz"


quarta-feira, 24 de maio de 2017

PRÁTICAS EVOLUTIVAS: RETIRO e CELIBATO





“O retiro é uma prática que está diretamente relacionada com a energia Ying do indivíduo que o desenvolve. É uma atividade pesso­al consciente de diminuir o contato com a experiência externa, a fim de potencializar o contato com a experiência interna. O hemisfério es­querdo cerebral lida com os aspectos da energia já lúcida para o indi­víduo, enquanto que o hemisfério direito cerebral funciona como que um receptor de entrada para energias que ainda se encontram ocultas para o ser. A energia Ying reflete a necessidade da não-ação, de onde deveriam partir todas as nossas ações. Porém, o que percebemos é uma geração contínua de ações e reações condicionadas, pouco conscientes e sustentadas pela energia externa (Yang), sem intervalos apropriados para um recolhimento necessário na polaridade interna. O retiro, en­tão, apresenta-se como uma prática imprescindível para os peregrinos da senda espiritual, já que se torna uma atividade consciente, onde o ser oferece um espaço-tempo de sua vida em direção às ordens ocultas que necessitam vir à tona a fim de serem potencializadas [...] Eminentemente, um retiro é uma prática gerenciada por consci­ências acima do ego, pois aqueles que o buscam são seres que já desper­taram para um sentido interno mais forte, por onde a alma e o espírito se comunicam. Tais seres já pressentem o valor da realidade do mundo além das formas, das palavras e dos conteúdos, via na qual transitam as suas próprias consciências superiores. Buscam o retiro como uma disciplina necessária para iniciar, ajustar ou potencializar este contato superior, também demonstrando o interesse pela ascese espiritual [...] Um retiro verdadeiro deve ter caráter transcendental, ou seja, deve intencionar retirar a consciência do praticante do ponto em que se encontra e, ganha características individuais de acordo com as neces­sidades ocasionais que estejam pré-dispostas para cada ser. Não há um espaço-tempo definido e inflexível para a realização de um retiro. O que deve haver é uma entrega sincera e desapegada para o que pode se desencadear com a experiência. O espaço-tempo que rege a experiência de um retiro pode durar átimos de segundo, como no caso de seres cósmicos despertos, que por um ato de vontade podem recolher suas consciências terrenas e, como um raio, automaticamente conectar-se com suas consciências extraplanetárias, buscando um veio de Luz superior que os posicione harmonicamente para o contexto estabelecido na dimensão em que se encontre na Terra. De outra forma, um retiro pode necessitar de um ciclo do espaço-tempo terreno de três dias, sete dias ou vinte e um dias, de acordo com os chamados internos de seus praticantes. Portanto, tenhamos cla­ro que um retiro não deve seguir regras inflexíveis e, oportunamente, deve ocorrer como uma prática disciplinar diferenciada para cada nível de consciência.”    (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, págs 240 a 242)







“Será que podemos compreender as realidades espirituais dos Mestres sem assumirmos disciplinas pessoais ou praticarmos as orientações que vem da Hierarquia Celeste? Como podemos encontrar a nossa "Santidade"? O que seria um "Santo"? O "Santo" sob o ponto de vista etimológico é aquele ser que consegue viver a sua vida interna sem se contaminar com as impurezas da vida mundana. Vive uma vida em separado, na sua consciência, e para manter esta disciplina de distanciamento consciente da vida humana comum, ele assume inúmeras disciplinas que são facilitadoras para a manutenção do seu estado de santidade. Quando estamos muito envolvidos com alguma realidade, temos uma dificuldade inerente a este envolvimento que nos dificulta ver a real natureza desta realidade. Assim como precisamos nos afastar de um edifício de dez andares para vê-lo por inteiro, analogamente, o santo assume um distanciamento saudável da vida para também poder vê-la melhor e por inteiro. O que conhecemos como ‘retiro’ é uma das práticas que fundamentam a experiência da santidade. É através de um retiro consciente, pautado com processos de purificações corporais, que uma alma humana começa a se fortalecer em sua natureza mais íntima. Em sua dinâmica interativa, a conturbada e excitada vida comum lida com inúmeros componentes distorcidos e equivocados que dificultam uma compreensão da vida divina em si. Desta forma, uma alma humana que vai amadurecendo em sua evolução se sente espontaneamente atraída pela prática do retiro. Pois é no retiro que ela vai encontrar a condição de se ordenar e se estruturar para prosseguimento de sua vida.”   (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, pág 98)







“O celibato não é só uma prática puramente sexual, quando de­senvolvida para fins evolutivos. Envolve a consciência do autocontrole e do uso adequado dos corpos de energia. Atualmente, há um excesso de informações que transitam pela mente coletiva humana, fortalecen­do as consciências corporais inferiores sem arremetê-las aos planos su­tis e simbólicos. Jogos de sensualidade gratuita estão sendo desencade­ados no seio desta civilização, atrasando ou estagnando os passos que muitos seres deveriam dar em seus caminhos. Desta forma, o celibato entra como uma prática defensiva quanto aos ataques ignorantes das manifestações grosseiras que intentam retardar a elevação da Luz que libertará esta humanidade.”  (Do livro “VIA CORAÇÃO, caminhos da transformação”, pág 248)






“Uma das ilusões que um buscador espiritual tem que transcender diz respeito à sua autoimagem mental identificada com a sua manifestação terrena polar externa, seja em forma de mulher ou de homem. Enquanto mantivermos como real a nossa natureza formal inferior de "Homem ou Mulher", estaremos confirmando para a nossa própria consciência a nossa dualidade polarizada. Neste nível de consciência, a sexualidade ainda tem um valor relativo de poder sobre a experiência dos nossos corpos externos para a Terra. Porém, os nossos outros corpos sutis e cósmicos ficam inibidos para se tornarem conscientes. Somente quando já nos consideramos realizados e "bastados" com as nossas experiências relacionadas à sexualidade terrena é que podemos, então, oferecer as nossas energias sexuais para uma ascensão de consciência que nos eleva para outras realidades. Quando alcançamos esta maturidade, tendemos a nos sentir atraídos por práticas incomuns sugeridas por Grandes Mestres como Jesus, Gautama, Krishna, Trigueirinho, Sathya Sai Baba, etc... Os Grandes Mestres são aqueles que sabem do valor de práticas como o celibato, trazendo em suas consciências os princípios que sustentam a androginia que o Reino Humano deve manifestar no futuro de sua evolução sobre a Terra. Com a revelação da presença de um novo código genético (GNA) sendo experimentado dentro do Reino Humano, num processo de atualização evolutiva, há seres humanos autorrealizados encarnados na Terra que possuem missões, em caráter de serviço cósmico, de usufruírem das suas sexualidades para gerarem as condições adequadas para os nascimentos de novas crianças (Índigos, Cristais, Douradas, Esmeraldas, etc...). Estas missões específicas são encaminhadas aos seres humanos que já possuem contatos conscientes com a Hierarquia Planetária ou Cósmica. Tais seres optaram voluntariamente, por permanecerem nos planos materiais da órbita da Terra, com o propósito de auxiliar nas conexões que devem se fortalecer entre as dimensões que estão se dispondo ao planeta atualmente. Para isto, os seres humanos mais capacitados são os "autorrealizados", pois já possuem consciências experimentadas e aperfeiçoadas pelo atual código genético DNA, tendo também já transcendidas as suas necessidades sexuais inferiores. Desta forma, são vetores capacitados para o uso adequado de suas próprias energias sexuais, caso se faça necessário usufruí-la como canais para manifestações de energias superiores.”  (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, pág 58)








quinta-feira, 18 de maio de 2017

CRIANÇAS e a CONSCIÊNCIA do INVISÍVEL







Na noite de 29 de novembro de 2013, participamos da mesa de abertura do Evento Bem Cuidar, em Caxambu, quando palestramos sobre os temas da consciência das realidades invisíveis e sobre as novas crianças que estão surgindo na Terra, sendo observadas pelos comportamentos fora dos padrões considerados normais até então detectados pelos estudiosos do comportamento humano. Fizemos uma correlação entre estes temas durante a palestra e, aqui neste texto, exporemos um resumo do que foi apresentado naquela ocasião.
Os conteúdos que sustentam as experiências que acontecem nas realidades invisíveis podem ser expostos sob duas abordagens: uma científica e prática, e outra mística e transcendental. Os cientistas que estudam a estrutura atômica nos relatam alguns comportamentos interessantes e relevantes que merecem ser citados. Inicialmente, devemos lembrar que a palavra “átomo”, sob o ponto de vista etimológico (do grego = indivisível), não exerce mais a sua função original, pois os nossos cientistas terrestres já o subdividiram em inúmeras outras subpartículas que possuem características próprias. Mesmo assim, continuamos a chamar de átomo aquela estrutura que no passado foi identificada cientificamente como tal e ainda nos serve de referência para pesquisas.
Os mais atualizados cientistas deste novo milênio que pesquisam e relatam sobre os comportamentos das subpartículas atômicas nos falam que, quando um átomo ganha energia através de irradiações, as órbitas das subpartículas tendem a se expandir, a gerar luz e a levitar. Mais ainda, relatam que a estrutura atômica é composta de pelo menos 11 (onze) dimensões, das quais somente as 4 (quatro) mais externas são visíveis e as outras 7 (sete) mais internas são tão refinadas e enroladas que são invisíveis aos olhos nus dos homens. Esta verdade científica atual se aproxima bastante das verdades de vários seres humanos canalizadores de seres espirituais imateriais que habitam estas outras dimensões invisíveis. Há relatos de várias mensagens místicas transcendentais que apontam a existência de pelo menos doze dimensões de realidades paralelas, cada uma com as suas características e funções. Devemos ter a consciência de que a nossa estrutura corporal mais material é constituída por átomos e que, sendo o átomo uma estrutura multidimensional, nós somos consequentemente seres multidimensionais. A nossa questão é saber como evoluímos na direção das dimensões mais elevadas e sutis.
Levando em consideração que as realidades visíveis dos átomos são detectáveis até a quarta dimensão, concluímos que as realidades invisíveis começam a se manifestar a partir da quinta dimensão. Há um acervo de vários ensinamentos e instruções transcendentais que afirmam que o ser humano tem um corpo multidimensional sim, e que as experiências da quinta dimensão se tornam conscientes para os homens da Terra através de um nível de consciência anímico denominado “Corpo de Luz”. Não por acaso, os seres humanos que possuem os seus Corpos de Luz ativos, na Terra, têm consciência da circulação da energia luminífera em suas auras irradiada a partir das suas estruturas atômicas. Para que um ser humano viva esta experiência de forma direta, ele deve recorrer a práticas sugeridas pela ciência espiritual (oração, serviço, meditação, retiro, contemplação, etc.) que fortaleçam o seu relacionamento com a sua própria consciência interna, em outras palavras, ele deve dirigir a sua consciência para dentro das suas realidades subatômicas e desvendar o que ele o é por dentro. Não por acaso, algumas palavras parecem nos confirmar a importância das realidades internas sob o ponto de vista etimológico. As palavras oriundas do latim “Inteligência” (Intus = dentro + Legere = ler)“Intuição” (In = dentro + Tuere = olhar para) “Educação” (Educere = conduzir p\ fora) nos sugerem que há algo nas realidades internas da vida que deve ser considerado. Ensinamentos transcendentais afirmam que é através do desenvolvimento da intuição, por exemplo, que a alma humana evolui e alcança a iluminação tão divulgada em diversas abordagens religiosas e espiritualistas.
A humanidade da Terra está testemunhando um momento verdadeiramente especial em sua caminhada evolutiva por este planeta. Estamos recebendo diversas mensagens espirituais afirmando que o planeta está acompanhando uma elevação de consciência cósmica que está sendo emitida por uma irradiação oriunda do centro de nossa galáxia, fazendo expandir todas as realidades que constituem as nossas experiências. Sabemos que cada ser humano possui um alcance de consciência específico à dimensão das realidades as quais necessite vivenciar, e que todos nós somos limitados pelo nosso próprio nível de consciência desperto. Quanto mais conscientes somos, mais podemos transitar por dimensões mais elevadas e sutis que sustentam as nossas realidades básicas na direção do Amor-Sabedoria que rege, preponderantemente, as nossas vidas neste sistema solar. O planeta encontra-se transitando entre a quarta e a quinta dimensão e a humanidade da Terra já está incorporando, aos poucos e mesmo que muito inconscientemente, realidades de uma civilização de quinta dimensão. Podemos diagnosticar este fato de forma prática com o aumento crescente de atividades à distância nas quais a humanidade está se envolvendo em diferentes setores da vida.
A transcendência do espaço-tempo linear usual até aqui experimentado, coletivamente, está paulatinamente acontecendo. Na área da educação, cresce o número de cursos oferecidos à distância nas mais variadas áreas do desenvolvimento humano. Reuniões e conferências internacionais estão sendo feitas à distância. No Brasil, em 2001, um milhão de brasileiros compraram pela internet e, em 2012, mais de quarenta milhões de brasileiros usaram a internet para compras à distância. As tecnologias mais modernas estão se beneficiando da holografia, sustentada pelas teorias da ciência de quinta dimensão. A internet se manifestou neste planeta como um elemento fundamental para aproximar as diversas culturas da humanidade e podermos, assim, fazer as nossas observações pessoais e coletivas, à distância, sobre parte do acervo das experiências humanas como um todo e fazermos, enfim, as nossas sínteses e prosseguirmos em nossas trajetórias cósmicas, mesmo que neste planeta. Culturas diferentes estão se aproximando. 
    Testemunhando esta realidade da quinta dimensão na direção das terapias holísticas e aproximando-se mais das realidades sagradas, nas duas últimas décadas, vários sistemas de “Reiki” surgiram pelo planeta. O que chamamos de “Reiki” é uma experiência sustentada por realidades multidimensionais, onde os “Mestres Reikianos”, iniciados espiritualmente, recebem símbolos sagrados com mantras específicos para a ativação destes símbolos que cumprem propósitos variados, dentre eles a cura, a proteção espiritual e a abertura de portais para projeções à distância (realidades a partir da quinta dimensão). Estamos recebendo um chamado coletivo dos “Reinos dos Céus” para que desenvolvamos as nossas inteligências e compreendamos melhor as transformações que estão acontecendo hoje.





Vários foram os mestres espirituais que nos deixaram mensagens sobre as realidades invisíveis. Lao Tsé, sábio oriental, afirmou no “Tao Te King” que todas as coisas visíveis são setas apontando para o invisível. Sathya Sai Baba, líder espiritual indiano, afirmava que tudo que é visível é sustentado por uma base invisível. Fazendo uma ponte entre as realidades invisíveis e a natureza das crianças, podemos citar a médica Maria Montessori que ainda têm sido uma referência na psicopedagogia atual quando ela diz:“-A inteligência da criança observa amando e não com indiferença, isso é o que faz ver o invisível.” Atualmente, encontra-se em ascensão uma nova corrente de produção literária (Vide imagens acima) acerca dos novos comportamentos infantis. É que estão surgindo crianças que, visivelmente, estão apresentando novas respostas físicas, emocionais e mentais mais precoces e maduras relativas às suas fases de vidas. Médicos, psicólogos e canalizadores espirituais estão associando o nascimento destas crianças, em vários países, a uma nova etapa evolutiva que está se iniciando para a raça humana da Terra. Sendo que alguns autores associam os novos comportamentos atípicos destas crianças às realidades multidimensionais que algumas delas têm consciência, assim como ao desenvolvimento em vanguarda de um novo código genético denominado de GNA ou de DNA Estelar, a depender do autor em referência. Tais crianças têm sido denominadas de Índigo, Cristal, Dourada, Esmeralda, etc.
Concluímos confirmando uma mensagem de Sócrates que diz: “Conhecer a si mesmo, significa descobrir Deus nos outros.” Este mistério deve ser o chamado coletivo para a humanidade nestes tempos, pois certamente há uma via de duplo sentido nos unindo em Deus. Namastê.

                                       Horácio Netho


segunda-feira, 15 de maio de 2017

A Vida Como Caminho e Como Um Jogo




“Após o ser humano ser tocado conscientemente sobre o caminho que deva seguir, após ele já ter definido sobre as novas ações que deva tomar, mesmo assim ele deve respeitar os ciclos naturais que regem as mudanças na vida. Aberturas e fechamentos de ciclos relacionais com a vida terrena seguem as leis regentes do tempo planetário, sincronicamente ao tempo cósmico [...] Levar muito a sério o caminho é tão danoso quanto ser relapso com ele [...] Quando se trilha o caminho do espírito, surgem inevitavelmente as ofertas dos mundos densos. São convites e propostas tentadoras de crescimento e fortalecimento material para entreter a consciência nos planos mais baixos da ilusão. Camuflagens perfeitas para a confirmação do status egóico. É necessário atenção, pureza, discernimento e meditação para reconhecermos a sutilidade mascarada destes atrasos ofertados [...] A cada curva ou relevo alcançado no caminho, um novo trecho se apresenta. Não importa em que altura do caminho o ser se encontre, deve buscar sempre o próximo trecho [...] Um grande mestre resguarda parte dos seus ensinamentos ocultamente e em silêncio. Reserva-os somente para alguns escolhidos e em momentos adequados. Sabe que o caminho requer busca, perseverança, investigação, devoção, mérito e iniciação por parte do peregrino espiritual. O desvelar de um mistério ganha mais força, importância e poder quando exige algum esforço por parte do buscador. De outra forma, não receberia a devida atenção por uma consciência acomodada, preguiçosa e que recebe tudo fortuitamente em suas mãos [...] Livre-se da pedra em seu caminho, mas não a chute. Ela é o seu bem disfarçado de mal [...] A distância a se percorrer no caminho está de acordo com a capacidade de condução da sua bagagem pessoal. Há um limite intrínseco a cada etapa do caminho [...] Durante a caminhada humana pela Terra, o ser alcança inúmeras realizações e satisfações. Porém, nenhuma se compara à autorrealização. Este estado de consciência traz uma lucidez plena de sintonia para com o todo. A consciência do ser é absorvida por uma luz indescritível que o estabelece em si e em comunhão com a rede cósmica da interdependência. Uma vivência e experiência direta que está no destino cósmico dos seres humanos. Uma dádiva dos céus [...] Não se pode calçar as sandálias de outro e caminhar-se por ele. Mas se pode deixar rastros que dão rumo ao caminho.”   (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)






“Desde os tempos pretéritos, os grandes sábios e instrutores nos ensinaram que deveríamos perceber a vida como quem está diante um sonho, um jogo ou uma brincadeira de Deus. A nossa questão fica apenas na direção atenta de descobrir quais são as regras deste jogo, para que possamos melhor jogá-lo, conquistando os objetivos em cada fase da sua dinâmica. Nos ensinamentos transcendentais do Oriente, este jogo de Deus tem sido reconhecido como um ‘passatempo divino’ denominado de ‘Leela’. Pois vamos aprendendo por via direta, que Deus em sua grandiosa experiência onisciente e onipresente arquiteta eventos multidimensionais, por vezes, recheados de bom humor para cada um de nós. E alguns destes eventos são especificamente particularizados para a consciência de nossas próprias experiências pessoais, até para que tenhamos a clara lucidez de que realmente estamos sendo acompanhados intimamente por alguma entidade superior, que nos conhece profundamente e melhor que nós mesmos. Antigamente, os instrutores espirituais mais sábios nos ensinavam para estarmos na vida como em um sonho ou percebê-la apenas como um teatro. Hoje, como novos elementos existenciais foram introduzidos recentemente na órbita da Terra, temos a transmissão de imagens (TV, Foto, Cinema, Computação, etc.) e podemos atualizar este ensinamento antigo, afirmando que devemos estar no jogo da vida como quem assiste a um filme em um cinema, por exemplo. Quem desperta a sua mente cósmica, por exemplo, realmente assiste a vida como a um filme destes de última geração holográfico e em ‘3D’, somente que bem mais real aqui na face da Terra, onde os personagens somos todos nós. Acontece que estamos em tempos muito especiais e as regras do ‘Jogo da Terra’ estão sendo alteradas de forma intensa, oferecendo para todos nós novas possibilidades de movimentos ainda não experimentados. Novos conteúdos que não estavam disponíveis, há três décadas, estão ganhando espaço e requerendo do Reino Humano da Terra uma nova postura diante deste jogo. Parte destes novos conteúdos diz respeito à nossa interligação cósmica com outras humanidades. Conteúdos de autoconhecimento transcendental cósmico que antes eram ‘Esotéricos’, agora estão sendo divulgados abertamente para que cada Ser Humano (jogador) possa ter mais consciência dos seus movimentos, na Terra e para o Cosmos. Os mistérios da Astrologia, da nossa anatomia oculta, dos Portais Dimensionais, da numerologia, da iluminação espiritual, etc... estão se desvelando cada vez mais para que os jogadores do ‘Amor Sabedoria da Terra’ se integrem de forma mais conscientes neste mistério.”  (Do livro “COMANDO ESTRELINHA, Temas Transcendentais”, págs 19 a 21)






“Diante a evolução humana inferior, o ser trabalha arduamente movido pelo desejo até que, tocado pela sabedoria interna, ele aprende que o caminho superior é o do menor esforço movido pela simples intenção amorosa. O desejo sucumbe, eleva-se o amor [...] Quando a conjuntura se estabelece, o precursor surge. Aparenta ir em outra direção. Mas não, apenas ajusta o guiar, aperfeiçoando o caminho a ser trilhado [...] Ao acolher conhecimentos e ensinamentos sobre a trajetória do caminho espiritual, a mente humana tende a sentir-se incompetente e indisposta a percorrer este destino. Considera que se necessita de muitas regras, leis, condições ou subsídios para que a trilha seja galgada. Em verdade, a vida sempre foi regida por uma sutilidade e leveza indescritíveis, que a fazem ser simples e harmoniosa. A mente humana não deveria se preocupar com as suas limitações, que são inerentes da sua natureza. Mas sim, perceber que existem outras inúmeras consciências que compõem o seu EU holístico, competentes para assumir a caminhada, a partir do ponto que necessitar. Desapego e entrega [...] Alguns seres humanos não te compreenderão. Outros somente te compreenderão. Outros mais, te compreenderão e te estimularão o adiantar do teu caminho. Todos agem segundo os seus discernimentos [...] Em um determinado momento do caminho, quando o carma é equilibrado, a graça abençoa a vida do ser que se recolhe, então, ao seu dharma [...] A busca da elevação espiritual segue mais que caminhos horizontais sobre a face física externa  do globo terrestre. Guia-se fundamentalmente ao alto, em ascensão vertical da própria consciência em Deus [...] Aquele que já se encontrou, não procura mais. Está uno com a vida e sabe que ela lhe trará o necessário para cada momento. Não busca mais, passa a ser buscado pela maestria da vida superior, que lhe orienta sobre a leveza do caminho sem desejos [...] A curiosidade gratuita é um veneno ácido e traiçoeiro que entorpece a mente do ser ignorante, desatento às suas intenções. Dispersa energia, sobrecarrega e atrasa o caminho [...] Anteprojetar um destino inflexível é um ato de ignorância, que não considera a impermanência dos caminhos interligados entre todos os seres [...] Aquele que segue piamente a outrem no caminho pode distanciar-se do seu guru interno, do seu guia maior e mestre primordial, o seu coração [...] O sábio vê a verdade em todos. Reconhece as mais elevadas e posiciona a ignorância discernida. Observa Deus se comunicando em sua linguagem una através dos homens, dos ventos, dos animais, das cores, dos astros, dos números... enfim, de toda a vida disponível. Mantém a sua consciência atenta no caminho e segue o seu destino [...] No caminho da vida, o ser nunca se deparará com uma estrada sem saída. Haverá sempre um desvio, um retorno, um atalho ou outra opção.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)









“O equilíbrio é fundamental para quem caminha na senda evolutiva. Com um pé avançamos e aprumamos o passo na direção a seguir, com o outro mantemos a firmeza que sustenta a base da ação. Da mesma forma, devemos nos conduzir pelos caminhos da abstração, sem excessos e sem passos muito largos [...] Enquanto a vida der apoio, deve-se seguir em frente por aquele que consideramos ser o melhor caminho, sendo fiel à voz interna e permanecendo atento aos sinais de confirmação [...] Não aguarde fórmulas mágicas e secretas para unir-se à consciência do seu Deus. A simplicidade e a pureza de intenções, naturalmente, abrem misteriosamente o caminho para esta conexão [...] O encontro com o divino não ocorre seguindo caminhos inflexíveis e sob crenças pré-estabelecidas. É preciso entregar-se profundamente ao silêncio interno, distanciar-se de toda e qualquer crença pessoal ou coletiva e buscar penetrar o vazio da existência. Devemos aquietar nossas mentes e deixar que a própria vida superior nos conduza, mostrando-nos o mais adequado para cada momento e ser, sem nenhuma expectativa [...] Poucos trilham o caminho da luz, a senda do discipulado, neste momento planetário. Poucos ainda aceitam as provações, o autoaperfeiçoamento em torno das virtudes. Porém, o chamado ecoa aos quatro cantos. Não há mais tempo a perder [...] Um dia, todos se cansam de serem EU, e descobrem que o caminho leva a sermos NÓS.”  (Do livro “VIA TERRA, caminhos da luz”, Horácio Netho)